DOM E RAVEL

Lindo... emocionante!
Há pessoas conscientes que não entendem por que mensagens tão belas de amor e fraternidade irritam alguns amigos que aparentemente também são "bons".

Não é simples, mas é possível entender.

Guillaume-Henri Dufour, engenheiro militar, líder e vencedor da guerra civil suíça de 1847, dedicou-se a construir escolas e pontes, e também criou a Cruz Vermelha Internacional. Ele FEZ o que era preciso fazer, com guerra, com engenharia e atitudes coerentes com tudo aquilo que aprendeu da trilogia de Rousseau -- Contrat Social, Discours et Emille -- e ajudou a construir um país digno para todos. A força da educação: na Suíça, as crianças recebem uma arma e aprendem a atirar com 9 anos de idade, e essa mesma Suíça é um dos países mais pacíficos do planeta. Sobre Brasil e Dufour, se interessar, vá a um post anterior: Sem a música, a vida seria um erro

Assim, há cidadãos que entendem muito bem o que se passa no país e no mundo, ou seja, sabem como poucos quais são as regras do jogo que criam a opressão e a injustiça tanto de direita quanto de esquerda. E essas pessoas se sentem, ainda que inconscientemente, agredidas pela hipocrisia voluntária ou involuntária das mensagens de flores, passarinhos, amor e bondade -- bem ao estilo Rubem Alves.

Sim, é inconsciente, mas sentem-se agredidas... porque são mensagens compartilhadas, com bom coração, tanto pelos ingênuos quanto por aqueles que são responsáveis por tudo o que impede que o quadro de violência e opressão seja superado. Que as pessoas aconselhem umas às outras a ser boas e pacíficas, com pena dos pobres e dos desvalidos, é justamente o que interessa a todo governo que impede o acesso da população à capacidade de pensar e decidir, seja negando-lhes escolas de excelência, seja por controle midiático.

É delicioso ver vídeos, imagens, ler textos, respirar fundo, olhar para o céu e sentir-se uma alma bondosa... "ah, se dependesse de mim"... "por que há tanta maldade no mundo?"

Nesse bolo de sensibilidade encontra-se mesclado todo tipo de gente: os bons, os ingênuos, os egoístas, os corruptos. Encontram-se aí os que saem às ruas para reivindicar tudo em nome de seus grupos, mas que jamais sairiam para pedir mais verbas e qualidade para educação. Ou seja, para pedir A ÚNICA MEDIDA que -- sabemos todos -- redirecionaria o país e ironicamente estancaria a necessidade de se mandar mensagens de caridade e solidariedade.

Todo mundo sabe, mas não faz. Ninguém bate panelas pelo ensino. Ninguém ocupa a esplanada dos ministérios exigindo educação de excelência para todos. Os que trocam mensagens solidárias são em grande parte os mesmos que condenam as invasões nas escolas. Os mesmos que, consciente ou inconscientemente, mantêm a população (e a si mesmos) naquilo que Kant chamou de menoridade.

CIEP, Rio de Janeiro
Em 1983, Darcy Ribeiro criou um projeto revolucionário de escola integral no Rio de Janeiro, os CIEPs. Construiu pelas mãos de Oscar Niemeyer 512 unidades com capacidade para mil alunos cada uma, ou seja, tirou mais de meio milhão de crianças de seus lares desestruturados e as pôs em escolas que mais pareciam universidades de primeiro mundo. Com todas as refeições e atendimento médico e odontológico. Aulas das 8h às 17h todos os dias e programas especiais nas férias. Professores à tarde para ensinar a fazer as tarefas da manhã. Isso funcionou de 1983 a 1987, mas a Rede Globo de Televisão, a mesma que conduz o Criança Esperança, fez campanha contra o projeto, proibindo divulgação dos CIEPs e mostrando buracos no asfalto e lixo esquecido em bairros, para dar à população a ideia de que o Rio de Janeiro estava desgovernado. Assim, fez Darcy Ribeiro perder a sucessão estadual para Moreira Franco, o candidato apoiado pela grande mídia. Sim, foi isso mesmo que você leu. Moreira Franco. O mesmo que hoje "luta" pela escola de tempo integral. Ao eleger-se governador, o Angorá, como é chamado no esquema de corrupção da operação Lava Jato, imediatamente desfez o projeto educacional de Darcy, e devolveu todas as escolas ao antigo meio período, desativando tudo o que se referia ao projeto original. 

Moreira Franco e sua família com certeza compartilham mensagens de amor às crianças e aos desvalidos. 


Dom e Ravel, 1971


Você, leitor jovem, nunca ouviu falar de Dom e Ravel. Era a dupla musical popular mais famosa nos chamados anos de chumbo da história brasileira. Apoiada pelo regime militar, a dupla fazia músicas positivas, de amor e de esperança, que ajudaram a hipnotizar e imobilizar a população inteira. Alguns dos sucessos: Só o amor constrói, Eu te amo meu Brasil, Você também é responsável.

Escreva, no youtube: dom ravel so o amor constroi.

Depois de ouvir, pode ser que aprenda a perdoar as pessoas rabugentas que não curtem tanto assim as mensagens de amor e bondade.

Quando os brasileiros estiverem votando diretamente as leis, construindo seu próprio destino, talvez essas mensagens venham a fazer algum sentido. 



Do autor do blog, disponível em amazon.com.br  






2 comentários:

Flavio Leão disse...

Ótimo!!!

Flavio Leão disse...

A força da educação: na Suíça, as crianças recebem uma arma e aprendem a atirar com 9 anos de idade, e essa mesma Suíça é um dos países mais pacíficos do planeta...

Recentemente comecei a ler O Emílio e gostaria de mais dados sobre a infância e a educação militar na Suíça... Você teria ajudar?